Cafeína: somente o excesso é prejudicial

Muito já se falou sobre a cafeína e seus efeitos no organismo humano acelera o metabolismo tira o sono faz bem para o coração rouba o cálcio dos ossos entre outras coisas Mas qual é verdadeiramente o efeito que a cafeína exerce no no

Cafeína: somente o excesso é prejudicial Imagem Principal
Muito já se falou sobre a cafeína e seus efeitos no organismo humano: acelera o metabolismo, tira o sono, faz bem para o coração, "rouba" o cálcio dos ossos, entre outras coisas. Mas qual é verdadeiramente o efeito que a cafeína exerce no nosso corpo e quais as vantagens e desvantagens do seu consumo? Suspeita-se que a cafeína seja utilizada desde o período paleolítico. Relatos mais confiáveis sugerem que ela tem sido consumida há milênios. Os chineses já a consumiam no século IV a.c. A cafeína, um composto químico que pertence ao grupo das xantinas, é encontrada em mais de 60 tipos de plantas, apresenta-se sob a forma de um pó branco, é muito solúvel em água quente, não tem cheiro e o seu sabor é amargo. Dentro do grupo das xantinas, a cafeína é a que mais atua sobre o sistema nervoso central. As principais plantas que contém o princípio ativo cafeína são: o chá mate (as folhas e talos), a cola (utilizada em alguns refrigerantes), o café (as sementes), o guaraná (os frutos) e o cacau (os frutos). Entre os alimentos, os que mais contém cafeína são: café, chá, alguns refrigerantes e o chocolate. Além dos alimentos, alguns medicamentos também contém cafeína como os antigripais, por exemplo. Dos alimentos que contém cafeína, é no café que encontramos a substância em maior quantidade. Uma xícara média de café contém, aproximadamente, 100 miligramas de cafeína. Já uma xícara de chá ou um copo de certos refrigerantes contém, em média, 40 miligramas. Por exercer ação estimulante no ...